SP chega aos 454 com menor taxa de crescimento da população

Estudo da Fundação Seade revela que a queda na taxa de fecundidade é expressiva para o menor crescimento

PAULO R. ZULINO, estadao.com.br

24 de janeiro de 2008 | 14h48

O ritmo de crescimento da cidade de São Paulo tem diminuído no decorrer das últimas décadas. Atualmente, o município tem 10,9 milhões de habitantes, segundo levantamento divulgado nesta quinta-feira, 24, pela Fundação Sistema de Análise de Dados de São Paulo (Seade).   O estudo revelou que, entre 2000 e 2008, a taxa de crescimento foi de 0,56% ao ano, contra 1,15% e 0,91%, registrados nas décadas de 80 e 90, respectivamente. Os principais fatores dessa redução foram a expressiva queda da taxa de fecundidade total no período 1980-2006, que passou de 3,17 para 1,92 filho por mulher, e a inversão do fluxo migratório, que, nas duas últimas décadas do século XX, tornou-se negativo, com maior volume de saídas do que de entradas de migrantes.Apesar de o contingente populacional total do município continuar crescendo, isso não ocorre de forma regionalmente homogênea. Segundo as projeções populacionais, entre 2000 e 2008, mais da metade dos 96 distritos da capital apresenta taxas negativas de crescimento demográfico, resultando na diminuição do número absoluto de habitantes residentes nestas áreas.   Estes 55 distritos, cuja população diminuiu de 4,3 milhões para 4,1 milhões de habitantes, no período 2000-2008, abrangem uma grande área contígua ao centro expandido da capital paulista, que vai de Santana ao Jabaquara, no sentido norte-sul, e de Artur Alvim à Lapa, no sentido leste/oeste. O crescimento é maior nos bairros de Anhangüera (7,9%), Cidade Tiradentes (4,6%) e Parelheiros (4,1%).

Tudo o que sabemos sobre:
SeadeSP 454 anosSão Paulodemografia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.