SP ganha companhia de dança com verba de R$ 50 milhões

Companhia de dança deverá contar com 40 bailarinos, num processo de escolha que começa após o Carnaval

28 de janeiro de 2008 | 18h58

O governo paulista anunciou nesta segunda-feira, 28, a criação de uma companhia de dança, com teatro próprio e corpo estável de profissionais, num esforço de R$ 50,3 milhões apenas neste ano, provenientes do Programa de Ação Cultural (PAC) de São Paulo. A São Paulo Companhia de Dança deverá contar com 40 bailarinos, em um processo de escolha que começa após o Carnaval e passará por capitais brasileiras como Belém (PA), Recife (PE), Brasília (DF) e pelo menos uma internacional, Buenos Aires.A injeção de recursos, de acordo com a Secretaria de Estado da Cultura, será a maior do Brasil em apoio à dança. A idéia é repetir o sucesso da Orquestra do Estado de São Paulo (Osesp), que começou a ganhar reconhecimento internacional após cerca de dez anos de trabalho financiado por cofres públicos.  "A criação de uma companhia de dança é sempre uma ação a longo prazo, porque só a continuidade fará a diferença para nós. Ela vai criar uma personalidade que mostre tanto São Paulo como o resto do Brasil, já que estamos construindo o trabalho a partir de uma grande metrópole", disse à Reuters a diretora artística da companhia, Iracity Cardoso. "Há jovens talentosos no Brasil que chegam a uma formação de excelência e não têm como prosseguir suas atividades no país, sendo obrigados a buscar oportunidades no exterior", afirmou Cardoso, que fez dançou em vários países europeus, como Alemanha, França e Suíça, e dirigiu o grupo português Gulbenkian Ballet até 2003. O repertório, diz ela, incluirá obras dos séculos 19, 20 e 21, mas as obras a serem apresentadas ainda dependem do perfil dos artistas que serão selecionados. A estréia deve acontecer em agosto e a segunda montagem, no fim do ano. O grupo terá sede em um teatro que será erguido na antiga rodoviária paulistana, no centro de São Paulo, e em construções anexas, no bairro da Luz. O custo dessa obra será de aproximadamente 34 milhões de reais, de acordo com a Secretária da Cultura paulista. O custo da manutenção do corpo estável neste ano será de R$ 13 milhões. Para superar os R$ 50 milhões em investimentos, o governo paulista deve financiar programações alternativas relacionadas à dança, diz a secretaria. "Nossa preocupação é promover a dança de qualidade, que necessita do apoio do Estado. Queremos preservar os extremos, do clássico ao contemporâneo, da dança de rua às tradições folclóricas", disse em nota o secretário paulista da Cultura, João Sayad. Segundo o secretário, a São Paulo Companhia de Dança tem como objetivo "influir decisivamente no panorama da dança no Brasil, buscando firmar um padrão e contribuir para o desenvolvimento de experiências similares".       (Reportagem de Maurício Savarese)  

Tudo o que sabemos sobre:
dançaSão Paulonova companhia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.