SP pode criar bolsões para desembarque de fretados

Faltando 11 dias para entrar em vigor a restrição aos ônibus fretados na região central de São Paulo, a Secretaria Municipal de Transportes admite a possibilidade de criar bolsões particulares para embarque e desembarque de passageiros dentro da área de proibição. A proposta foi feita ontem ao secretário de Transportes, Alexandre de Moraes, por uma comissão formada por 12 associações de fretamento da capital, Baixada Santista, Grande ABC e Bragança Paulista, com apoio dos representantes das prefeituras.

AE, Agencia Estado

16 Julho 2009 | 09h04

Se for efetivada, a sugestão altera significativamente o projeto da Prefeitura paulistana, uma vez que permitiria a entrada de fretados na área de restrição. Haverá ainda um grupo de trabalho para discutir, até com os usuários do serviço, temas como as áreas de acesso permitido e rotas alternativas. Anteontem, pela primeira vez, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) admitiu alterar a portaria que estabelecerá, na próxima semana, os limites de transporte fretado. ?O secretário (Alexandre de Moraes) com certeza vai acolher as boas ideias que chegarão nos próximos dias.? O texto definitivo deve ser entregue ao prefeito na próxima quarta-feira.

?Se o maior impacto que os ônibus causam no trânsito está relacionado às paradas, isso resolveria o problema?, afirmou o deputado estadual Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), que intermediou o encontro de ontem com a Prefeitura. Na Avenida Paulista, uma das possibilidades mencionadas foi a de desembarcar passageiros no terreno do Hospital Santa Catarina. Das 12 sugestões feitas pelos empresários, quatro foram rejeitadas imediatamente. Entre elas, a de que as medidas fossem adiadas. O secretário garantiu que as restrições começam no dia 27 de julho, como já havia sido anunciado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
trânsito SP fretado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.