Stephanes: ambiente não é monopólio de ambientalistas

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou hoje, durante audiência pública na Comissão de Meio Ambiente da Câmara dos deputados, que vem procurando tratar a questão ambiental com equilíbrio. "Não é monopólio de ambientalistas entender de meio ambiente", disse, logo no início de sua exposição, que contava também com a presença do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, mas que chegou atrasado à audiência porque participava de evento em São Paulo.

CÉLIA FROUFE, Agencia Estado

23 Junho 2009 | 18h41

"Quero deixar claro que inversamente do que se procura divulgar, até com falta de boa-fé, sou favorável ao desmatamento zero no bioma da Amazônia. Já temos área suficiente desmatada. Quero deixar muito claro isso", reforçou. De acordo com o ministro, esse esclarecimento é necessário para evitar "ações espetaculosas" que, segundo ele, às vezes ocorrem sobre o tema.

No pronunciamento, Stephanes comentou que há cinco causas do desmatamento no Bioma Amazônico. Ele reconheceu que a mais forte delas é o setor agrícola, mas pediu que se retirasse o fator soja do discurso, cultivo esse, de acordo com o ministro, colocado durante muito tempo como o principal produto causador do desmatamento. "Hoje já se reconhece que a soja não amplia áreas de produção há quatro anos. É crescimento apenas de produtividade. A soja ocupa apenas 2,5% do território nacional, então não poderia ser vilã", defendeu.

Na avaliação de Stephanes, tanto o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) quanto o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estão realizando estudos a respeito do tema, só que, para ele, há uma "confusão deliberada" na mídia, feita por ONGs a respeito da diferença entre Amazônia e o bioma amazônico. "Onde está efetivamente a linha do bioma amazônico? Por falta de definição correta, produtores estão sendo prejudicados no momento de pegar financiamento", argumentou.

Mais conteúdo sobre:
ambienteReinhold Stephanes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.