Stephanes pede 'equilíbrio' no debate do crime ambiental

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, defendeu hoje "maior equilíbrio e racionalidade" nas discussões sobre as regras do Decreto 6.514, que estabelece exigências e punições para os crimes ambientais. Stephanes e o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, vão avaliar propostas apresentadas pelos produtores rurais para flexibilização das regras, que são consideradas por representantes do agronegócio como um entrave para o desenvolvimento do setor.A primeira de uma série de reuniões entre os dois ministros para tratar do tema aconteceu na noite de ontem, no Ministério do Meio Ambiente. "Eram 10 representantes de grupos ambientalistas e dois da produção", relatou Stephanes. Não houve uma decisão sobre possíveis modificações, acrescentou Stephanes. O ministro da Agricultura explicou que o decreto reúne uma série de leis, algumas criadas há 40 anos. "As leis foram elaboradas sem o conhecimento da realidade", afirmou. Stephanes lembrou, ainda, que se as regras forem mantidas, várias cadeias do agronegócio estarão comprometidas. Entre elas, ele citou a cafeicultura de Minas Gerais, a produção de uva no Rio Grande do Sul e de frutas em Santa Catarina.No fim de agosto, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) protocolou no Ministério do Meio Ambiente um documento assinado por 14 entidades ligadas aos setores da agropecuária e da indústria, além da Frente Parlamentar da Agropecuária, com as sugestões de alterações de diversos dispositivos do decreto.

FABÍOLA SALVADOR, Agencia Estado

11 de setembro de 2008 | 12h23

Tudo o que sabemos sobre:
meio ambienteRenihold Stephanes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.