Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

STJ nega habeas corpus a acusado de matar Dorothy

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou habeas corpus ao fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, acusado de ser o mandante do assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang. A defesa do fazendeiro queria anular o julgamento que condenou o fazendeiro a 30 anos de prisão.

PEDRO DA ROCHA, Agência Estado

17 de fevereiro de 2011 | 19h10

Para o relator, ministro Napoleão Maia Filho, as informações constantes do processo revelam uma tentativa da defesa de adiar o processo e a sentença de Vitalmiro. Os advogados de defesa não compareceram a uma das sessões de júri e o fazendeiro trocou de advogado para conseguir ganhar tempo, segundo o ministro.

O crime aconteceu em 2005. Stang, de 73 anos, foi morta com seis tiros por um pistoleiro quando se dirigia a um assentamento de agricultores em Anapu (PA). Dois fazendeiros - Vitalmiro Bastos de Moura e Regivaldo Pereira Galvão - foram denunciados como mandantes do crime, que teria sido encomendado por R$ 50 mil, em razão da interferência da missionária nos conflitos entre pequenos agricultores e grandes proprietários de terra.

Tudo o que sabemos sobre:
morteSTJDorothy Stang

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.