Submarino e Americanas.com têm origem comum

As lojas virtuais Submarino e a Americanas.com têm origem comum, a GP Investimentos. Desde abril deste ano, os investidores deixaram de fazer parte do controle do Submarino. A possibilidade de fusão entre as empresas foi discutida pela primeira vez durante o auge da crise da rede mundial, no segundo semestre de 2000, logo após o estouro da bolha nos Estados Unidos. Mesmo durante a crise, no entanto, a internet brasileira nunca deixou de crescer, e os varejistas atravessaram bem os tempos difíceis.Desde então, os rumores de fusão nunca deixaram de circular, mas nunca estiveram tão fortes quanto nas últimas semanas. "É uma surpresa grande", afirmou o consultor Cid Torquato, especializado em economia digital. "Em termos empresariais faz muito sentido. Eles ganham escala e reduzem custo. Para outras lojas é uma ameaça, pois terão um poder de barganha igual ao de nenhuma outra."Juntas, a Americanas.com e o Submarino responderam por 57,5% dos R$ 2,5 bilhões vendidos em bens de consumo pela rede mundial em 2005. No fim de 2005, havia 4,771 milhões de consumidores online no Brasil, ainda pouco frente aos 18,9 milhões de usuários residenciais de internet.O diretor de Estratégia da E-Consulting, Daniel Domeneghetti, apontou que a fusão traria desafios, como o fato de a Americanas ter lojas físicas e o Submarino não. "Não vejo muito sentido", disse Domeneghetti. "São duas empresas bastante saudáveis, que não sofrem pressão de capital, de concorrência ou de caixa."

Agencia Estado,

23 de novembro de 2006 | 08h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.