Subprefeitura de SP livra 11 acusados de cobrar propina

Um relatório de 210 páginas, produzido pela Subprefeitura da Mooca, em São Paulo, inocentou 11 pessoas - entre elas três ex-funcionários públicos de carreira e três ex-funcionários de confiança - de envolvimento com um esquema de cobrança de propinas de camelôs ilegais da região do Brás, conhecido como a ?máfia dos fiscais 2?. O esquema veio à tona em julho deste ano e, na época, provocou a prisão de 11 pessoas. As 11 pessoas são acusadas pelo Ministério Público de, durante 15 meses, terem arrecadado até R$ 1 milhão por mês com o recolhimento de propinas. Na denúncia acatada pela Justiça, a Promotoria afirma que 7 mil ambulantes da região, que atuavam durante o dia, eram extorquidos em R$ 10 a R$ 20 por dia para poder trabalhar. Também pagavam propina 500 vendedores de alimentos da região. O esquema era esquema semelhante ao da ?máfia dos fiscais? de 1998, que naquele ano causou a prisão de servidores e vereadores.Dois dias depois de a Polícia Civil ter desarticulado o esquema, durante a operação ?O Rapa?, a subprefeitura exonerou os suspeitos - entre eles o agente de fiscalização Edson Alves Mosquera e o então assessor do subprefeito Eduardo Odloak, Georges Eivazian, e abriu sindicância interna, que durou um mês e ouviu cerca de 20 pessoas. Foi essa sindicância que gerou o relatório, assinado por Odloak, que apontou ?não existirem indícios de responsabilidade? dos ex-funcionários. As informações são do Jornal da Tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.