Suécia aumenta forças para buscar atividade estrangeira subaquática

A Suécia aumentou sua presença militar no arquipélogo de Estocolmo neste sábado para vasculhar suas águas por "atividade estrangeira debaixo d'água" em uma mobilização de navios, tropas e helicópteros não vista desde a Guerra Fria.

NIKLAS POLLARD, REUTERS

18 de outubro de 2014 | 14h13

A busca no Mar Báltico a menos de 50 quilômetros de Estocolmo começou na sexta-feira e trouxe de volta memórias dos últimos anos da Guerra Fria quando a Suécia perseguiu repetidamente supostos submarinos ao longo de sua costa com cargas profundas.

A operação ocorre em meio ao aumento das tensões com a Rússia entre os países nórdicos e bálticos sobre a crise na Ucrânia. Na semana passada, a Finlândia acusou a marinha russa de interferir em um navio de pesquisa ambiental finlandês em águas internacionais.

O exército sueco afirmou que informações sobre atividades suspeitas vieram de uma fonte confiável, sem dar mais detalhes, e que cerca de 200 militares estavam envolvidos na busca.

Em 1981 o submarino soviético, conhecido sob a designação sueca U137, encalhou no fundo das águas suecas não longe da maior base naval do país neutro, gerando intensas suspeitas sobre a escala e os motivos e tais incursões.

Navios, helicópteros e tropas de uma unidade anfíbia, bem como a guarda doméstica, estavam monitorando a área.

O trabalho inclui uma corveta com tecnologia e equipamentos para uma guerra anti-submarino.

"Nós consideramos as informações que recebemos muito confiáveis", disse o Capitão Jonas Wikstrom, chefe de operações para a busca, a jornalistas. "Como chefe de operações, decidi aumentar o número de unidades na área."

Os militares disseram na sexta-feira que não houve intervenção armada e se recusaram a comentar quem poderia ser responsável pela atividade, e se o relatório tinha sido sobre um submarino.

No mês passado, a Suécia disse que dois aviões de guerra russos entraram em seu espaço aéreo, chamando a intrusão de "grave violação" e enviando um protesto para o embaixador de Moscou no país nórdico.

Mais conteúdo sobre:
MUNDOSUECIARUSSIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.