Sueco ganha Prêmio Fotógrafo de Vida Selvagem 2006

Uma fotografia que levou nove anos para ser tirada e que quase foi apagada acidentalmente foi a vencedora do Prêmio Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano 2006. A morsa retratada pelo sueco Goran Ehlme se confunde com o resto do cenário tingido de verde. Ele capturou a imagem em uma câmera digital. ?Eu quase apaguei a imagem acidentalmente, (mas foi) quando percebi que se tratava de uma coisa especial?, afirmou Ehlme à BBC. A competição, organizada pelo Museu de História Natural de Londres e pela revista BBC Wildlife, é uma das mais prestigiosas na fotografia mundial.Acidente Ehlme é um experiente documentarista de vida selvagem e participou de séries de televisão da BBC, além de também ter colaborado com o canal de TV da revista National Geographic.Ele passou quase uma década tentando retratar o comportamento das morsas e chegar perto dos mamíferos sem ser atacado. Com cerca de uma tonelada e meia, esses animais podem ser extremamente perigosos caso se sintam ameaçados, e suas grande presas podem matar até mesmo um urso polar.?A foto foi tirada antes de a morsa subir para respirar. Embaixo d?água, com a máscara e com uma proteção na câmera, era muito difícil ver o que estava em foco, só que me dei conta e disse: ´Uau! Tem a cabeça dela na foto´?, disse Ehlme.Outra fotografia que teve destaque foi O Dilema, do Americano Rick Stanley, de 17 anos, que ganhou na categoria Jovem Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano. Stanley conseguiu uma imagem de uma rã-macaco na boca de uma cobra. ?Tirei a foto porque a rã estava pendurada diante de mim, mas um amigo, que estava na minha frente, não resistiu a ajudar a vítima e encostou na cobra, que imediatamente largou a presa, que fugiu?, disse Stanley.A foto se chama O Dilema porque o incidente deixou-o em conflito se teria melhor deixar a cobra comer a rã ou esperado para ver se ela teria conseguido engolir uma rã tão grande caso tivesse tentado?, explicou.

Agencia Estado,

19 de outubro de 2006 | 17h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.