SUMMIT-Brasil quer elevar gasto com defesa de 1,5% para 2% do PIB

O Brasil pretende aumentar seus gastos na área de defesa dos cerca de 1,5 por cento atuais do Produto Interno Bruto para 2 por cento em até dez anos, afirmou nesta quarta-feira o ministro da Defesa.

ANA FLOR E JEFERSON RIBEIRO, REUTERS

30 Maio 2012 | 19h18

O crescimento, segundo Celso Amorim, faz parte de um ajuste para que o Brasil se aproxime do investido por outros países dos Brics -que investem mais, em média 2,5 por cento do PIB.

"Temos que nos acostumar a olhar quais são os parâmetros de comparação. O Brasil é um país sul-americano, latino-americano... mas o Brasil também é um dos Brics e não pode se deixar de ver dessa maneira diante de um mundo em que nós ainda não conseguimos banir o conflito", disse Amorim em entrevista durante o Reuters Latin American Investment Summit.

O ministro acrescentou que o Brasil precisa se preparar para situações como "uma corrida por recursos naturais".

"Nós temos que estar preparados para reagir ou até dissuadir alguma tentativa de invasão no território nacional ou nos seus recursos", disse.

Os investimentos serão norteados pelo trabalho de um grupo que estuda as prioridades de Defesa brasileira. No topo da agenda, citou o ministro, está a compra de caças militares, em estudo desde o governo Fernando Henrique Cardoso.

Para Amorim, o tema já "está maduro para ser decidido".

"Os caças estão aguardando uma decisão. É importante que essa decisão saia logo, porque é uma deficiência que já se faz notar", disse.

O ministro disse que autorizou, nos últimos dias, a compra de quatro lanchas colombianas que servirão para Exército e Marinha patrulharem os rios da Amazônia. O negócio é de 10 milhões de dólares e pode ser expandido nos próximos anos.

(Reportagem adicional de Esteban Israel e Paulo Prada)

Mais conteúdo sobre:
SUMMIT BRASIL AMORIM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.