Superacelerador de partículas faz amanhã as primeiras colisões

Superacelerador de partículas faz amanhã as primeiras colisões

Brasil negocia adesão ao maior experimento de física já realizado, que tem como objetivo reproduzir o Big Bang

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

29 de março de 2010 | 00h00

CORRESPONDENTE / GENEBRA

O superacelerador de partículas (LHC, em inglês) construído em Genebra, na Suíça, promove amanhã os primeiros choques de prótons. Dois feixes vão circular em direções opostas num túnel de 27 quilômetros na fronteira entre a Suíça e França.

Os especialistas esperam que a experiência revele como o universo foi criado e confirme teorias que até hoje estão sendo questionadas. A ideia é tentar reproduzir os momentos que se seguiram ao Big Bang, há 13 bilhões de anos, e detectar pela primeira vez a matéria escura.

O projeto de R$ 18 bilhões e que já levou 20 anos de trabalho foi alvo de uma polêmica ao ficar fechado por mais de um ano para reparos. O teste de amanhã está levando à Genebra jornalistas e cientistas de todo o mundo. O Centro Europeu para a Pesquisa Nuclear (Cern) teve de organizar um esquema especial para atender ao fluxo de jornalistas.

Participação. O Brasil foi convidado pelo Cern para se tornar membro associado ao experimento e participar de forma plena de seus projetos. Mas, para isso, o governo terá de fazer uma contribuição financeira. Por enquanto, o País participa de forma marginal, com programas, peças e técnicos. Mas sem qualquer investimento direto.

Uma das contribuições brasileiras é um software que vai ajudar a selecionar os dados que serão gerados pelos choques entre os prótons.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.