Superbactérias da Índia chegam a EUA e Canadá

BOSTON

AFP e AP, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2010 | 00h00

Um novo gene surgido na Índia, que pode tornar vários tipos de bactéria resistentes a quase todos os antibióticos, chegou à América, após ter sido registrado em países europeus, afirmaram ontem autoridades de saúde dos Estados Unidos. Casos foram confirmados em três Estados do país e no Canadá.

Os casos nos EUA ocorreram nos Estados de Illinois, Califórnia e Massachusetts, todos com uma bactéria diferente. No Canadá, os pacientes moravam em Alberta e na Colúmbia Britânica. Todas as pessoas infectadas pelas superbactérias nesses locais haviam recebido atendimento médico na Índia.

No mês passado, uma revista médica da Grã-Bretanha havia alertado sobre o risco oferecido por essas superbactérias em artigo que descrevia dúzias de casos no país, todos relativos a pessoas tratadas na Índia.

Ainda não se sabe quantas mortes as bactérias portadoras desse gene, chamado de NDM-1 (nome que faz menção à cidade de Nova Délhi, na Índia), causaram. Até agora, o NDM-1 foi encontrado principalmente em bactérias que provocam infecções urinárias ou intestinais.

Cientistas demonstram preocupação porque são poucos os novos antibióticos em produção. Segundo Lindsay Grayson, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Melbourne, na Austrália, "é apenas uma questão de tempo" até que esse gene se espalhe entre a população.

Para Ursula Theuretzbacher, do Centro de Agentes Anti-Infecciosos da Áustria, "nós enfrentamos um grave problema de resistência dos patógenos aos antibióticos". "Isso se tornou uma crise sanitária global", completou a especialista. Os médicos recomendam que as pessoas não façam uso indiscriminado de antibióticos e que tomem cuidados básicos de higiene, como lavar as mãos.

Questão de tempo

PATRICE NORDMANN

PROFESSOR DE MICROBIOLOGIA DA ESCOLA MÉDICA DO SUL DE PARIS

"Os ingredientes (para a transmissão generalizada das bactérias com o gene que confere resistência aos antibióticos) estão todos aí. Isso vai se espalhar, por avião, por todo o mundo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.