Supercomputador resolve cubo mágico com 26 movimentos

Brinquedo fascina pessoas do mundo todo desde o começo dos anos 1970

BBC

16 Agosto 2007 | 10h40

A solução mais rápida já criada para o famoso cubo mágico (ou cubo de Rubik) veio após horas de processamento de números num supercomputador de Boston, nos Estados Unidos. A pesquisa provou ser possível voltar o cubo ao estado inicial em não mais de 26 movimentos.   Veja também:  Mais sobre o cubo mágico   Como resolver o cubo mágico com menos de 100 movimentos   O supercomputador levou 63 horas para alcançar o resultado, que bate o recorde de soluções mais eficientes para o cubo mágico. Dois cientistas que coordenaram o projeto acreditam que, com mais algum tempo de trabalho, conseguem diminuir o índice.   Os estudantes Daniel Kunkle e Gene Cooperman, da Northeastern University, foram espertos para desvendar tão rápido o mistério das mais de 43 bilhões de posições possíveis do brinquedo.   Eles usaram uma técnica de cálculo baseada em dois passos. Primeiro, programaram o supercomputador para chegar a uma das 15 "meia-soluções" já conhecidas. Eles sabiam que, a partir daí, poderiam resolvê-las com apenas mais alguns movimentos.   Os resultados mostram que qualquer posição desordenada das faces do cubo podem ser resolvidas com um máximo de 29 movimentos. Uma das possibilidades, a mais rápida, é atingida com 26 posições.   Os pesquisadores levaram a ciência um passo mais perto de encontrar o tão falado "Número de Deus", o menor número possível de movimentos necessários para solucionar um cubo de Rubik.   O resultado tem esse nome porque só Deus poderia voltar o cubo à posição normal com o mínimo de movimentos. Trabalhos teóricos de matemática sugerem que o Número de Deus está na casa dos "sub-20", números menores que 20.   Kunkle e Gene Cooperman anunciaram os resultados no International Symposium on Symbolic and Algebraic Computation, em Waterloo, Ontário, no Canadá.

Mais conteúdo sobre:
Pesquisa Supercomputador Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.