Surdos realizam protesto contra política do MEC

Um grupo de 200 pessoas se reuniu hoje na frente do Ministério da Educação (MEC) para protestar contra a política de uma "escola inclusiva" para surdos, que prevê que os alunos sejam matriculados em escolas regulares e depois recebam atendimento especializado. Para a Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis), o modelo é ineficaz. A entidade defende que os alunos surdos tenham classes bilíngues, em que sejam ensinadas tanto a língua brasileira de sinais quanto a língua portuguesa.

RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

19 de maio de 2011 | 19h51

"Ao contrário do que disse a Martinha Clarete (diretora de Política de Educação Especial do MEC), existe, sim, uma cultura surda. Precisamos de um corpo docente qualificado", disse a professora Irene Stock. Faixas contra a diretora foram erguidas por parte dos manifestantes, que também criticaram o fechamento do ensino básico no Instituto Nacional de Educação dos Surdos (INES), no Rio de Janeiro.

Representantes do grupo se encontraram com o ministro Fernando Haddad e lhe entregaram um documento com uma lista de propostas, como a implantação de escolas bilíngues e a instituição de uma comissão no Ministério para discutir a educação para os surdos. "O MEC nos garantiu que está aberto para negociação", disse a diretora de políticas educacionais da Feneis, Patrícia Rezende.

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãosurdosprotestoMEC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.