EFE
EFE

Surto de gripe no México e EUA tem potencial de pandemia

Nova cepa de gripe mistura vírus da gripe suína, humana e aviária; matou 68 pessoas entre 1.004 casos suspeitos

REUTERS

25 de abril de 2009 | 12h11

Os surtos de gripe suína no México e nos Estados Unidos têm o potencial para causar uma pandemia mundial mas é cedo demais para afirmar se isso vai ocorrer, disse neste sábado a chefe da Organização Mundial da Saúde.  

 

Veja também:

mais imagens Galeria: Gripe suína

linkBrasil deflagra operação para evitar gripe suína

linkEUA dizem que é tarde para conter doença no país

linkNova cepa de gripe é mistura genética

"Ela tem potencial de pandemia porque está infectando pessoas", disse a diretora-geral da OMS, Margaret Chan.

"Contudo, não podemos dizer com a atual base de evidências laboratoriais, epidemiológicas e clínicas se irá ou não ocorrer uma pandemia."

A nova cepa de gripe - uma mistura de vírus das gripes suína, humana e aviária, que matou até 68 pessoas entre 1.004 casos suspeitos no México e infectou oito pessoas nos Estados Unidos - ainda é pouco compreendida e a situação está evoluindo rapidamente, disse Chan em uma teleconferência.

Um comitê emergencial de especialistas, reunidos rapidamente, irá aconselhá-la sobre questões incluindo possivelmente a mudança no nível de alerta de pandemia da OMS, atualmente em 3 numa escala que vai do 1 ao 6.

É "prematuro demais nesse estágio" para a OMS anunciar qualquer alerta de viagem, uma vez que melhores análises dos casos e outros dados clínicos são necessários, afirmou.

"Ainda não temos um cenário completo da epidemiologia ou risco, incluindo possível disseminação além das áreas afetadas", apontou Chan. "Apesar de tudo, na avaliação da OMS, esta é uma situação séria."

Também é cedo demais para a agência da ONU aconselhar empresas farmacêuticas a mudar para produção de uma nova vacina - a ser derivada a partir do novo vírus - de sua produção tradicional de vacinas de influências sazonais, explicou.

Tudo o que sabemos sobre:
GRIPETELECONFPANDEMIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.