Susan Boyle diz estar bem após invasão de sua casa

Cantora escocesa descobriu invasor na sua residência na Escócia.

BBC Brasil, BBC

27 de janeiro de 2010 | 19h36

A cantora britânica Susan Boyle disse nesta quarta-feira que "está bem" após sua casa, na cidade escocesa de Blackburn, ter sido invadida na noite de terça-feira, de acordo com informações da polícia local.

"Está tudo nas mãos da polícia agora", afirmou a cantora na porta de casa, sorrindo e acenando para o público.

Um porta-voz da polícia escocesa informou que eles foram chamados à casa da cantora devido a informações de problemas na região.

Os detetives afirmam que o invasor é um jovem branco, que tem entre 15 e 16 anos de idade, e pouco mais de 1,6 m de altura, usando jaqueta e calça escura.

"A proprietária estava muito angustiada por ter encontrado alguém dentro da casa dela e queremos conversar com qualquer um que possa nos ajudar em nossas investigações", disse o porta-voz da polícia.

Logo depois da fuga do invasor, um adolescente de 16 anos foi preso, interrogado e liberado em seguida.

Caridade

Boyle teria acabado de voltar de Londres, onde gravou juntamente com outros artistas uma música cuja renda das vendas será revertida para as vítimas do terremoto no Haiti.

Ao chegar a sua casa em Blackburn, ela encontrou o invasor.

Apesar de seu sucesso mundial, Boyle ainda mora na casa simples onde cresceu.

A cantora foi finalista do programa Britain's Got Talent, e um vídeo de uma de suas apresentações no programa foi o mais assistido em 2009 no site YouTube.

A surpreendente interpretação da cantora escocesa de I Dreamed a Dream foi vista por mais de 120 milhões de usuários em todo o mundo.

Ela não venceu o programa, mas, desde sua participação, estabeleceu uma carreira de cantora e chegou a gravar um álbum, cujo título é o mesmo da música que a lançou para o sucesso no YouTube.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
grã-bretanhasusan boyleinvasor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.