Arquivo/AE
Arquivo/AE

Susan Boyle é ovacionada em volta aos palcos

Escocesa que se tornou celebridade mundial vem sofrendo com estresse desde derrota em programa.

BBC Brasil, BBC

21 de junho de 2009 | 19h51

A cantora escocesa Susan Boyle, uma das finalistas do show de calouros britânico Britain's Got Talent, realizou uma volta triunfante aos palcos neste domingo, depois de ter perdido quatro apresentações da turnê britânica dos vencedores do programa de televisão.

O fenômeno de 48 anos foi aplaudido de pé ao subir ao palco do Wembley Arena, no noroeste de Londres.

Em seguida, ela cantou I Dreamed A Dream do musical Les Miserables, a mesma que a transformou em um sucesso instantâneo ao cantá-la no programa.

Mas a rápida projeção internacional que ela ganhou também lhe provocou problemas de estresse. Por isso, nos últimos dias, ela desistiu de shows em Liverpool, Cardiff, Nottingham e Manchester.

'De pé'

Um porta-voz da organização do show deste domingo afirmou que o público "ficou de pé" para Susan e para os vencedores do show de calouros, o grupo de dança Diversity.

Susan também interpretou a música que cantou na semi-final, Memories, do musical Cats, durante o show de Wembley.

O primeiro sinal de que Boyle enfrentava problemas surgiu horas depois de ela saber que havia sido derrotada pelo Diversity, quando foi levada a uma clínica psiquiátrica.

O jurado Piers Morgan afirmou que ela estava emocionalmente desgastada e exausta, enquanto o jurado e criado do programa, Simon Cowell, admitiu que ela teve dificuldades de lidar com o estresse.

Milhões de pessoas em todo o mundo assistiram as apresentações de Boyle no programa de TV, e a cantora conquistou fãs famosos como a atriz Demi Moore e a cantora Elaine Paige.

A turnê do Britain's Got Talent vai ser encerrada na cidade litorânea de Bournemouth no dia 5 de julho.

Até lá, outros 12 shows estão marcados em toda Grã-Bretanha.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.