Suspeita de vender habeas corpus é investigada em MG

A atuação da juíza Maria José Starling, da comarca de Esmeraldas (MG), é avaliada em procedimento interno da Corregedoria do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), informou hoje a Corte.

CAROLINA SPILLARI, Agência Estado

29 Junho 2011 | 18h12

No dia 17 o deputado Durval Ângelo (PT-MG) encaminhou ofício com pedido de afastamento da juíza, suspeita de vender um habeas-corpus para a libertação do ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes.

A assessoria do TJ-MG esclarece, no entanto, que afastamento de juízes não é procedimento da Corregedoria. A Corregedoria, então, trabalha com procedimento preliminar que tramitará de acordo com o que o órgão julgar necessário. O processo será avaliado internamente, sem divulgação, disse o TJ-MG.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.