Suspeito de ataque a aeroporto em Madri, ex-chefe do ETA morre em hospital

O ex-chefe de movimento separatista basco ETA, considerado responsável por ter ordenado o atentado ao aeroporto de Madrid, que pôs fim a uma trégua em 2006, morreu enquanto cumpria pena em uma prisão em França, disse um grupo de apoio ao prisioneiro do ETA neste sábado.

Reuters

30 de março de 2013 | 16h15

Xabier López Peña, conhecido por apelidos diferentes, incluindo 'Thierry', e preso na França desde 2008, teve um ataque cardíaco e, posteriormente, um acidente vascular cerebral, e morreu no hospital de Paris de Pitié-Salpêtrière, informou a mídia espanhola neste sábado, citando fontes próximas à família e grupos de apoio.

Lopez Pena, 54, considerado no período o líder do grupo separatista, foi preso em maio de 2008 em Bordeaux.

Ele havia participado das negociações com o governo espanhol durante uma tentativa de trégua em 2006. Mas no final daquele ano um ataque do ETA com carro-bomba no aeroporto de Madri, que matou dois imigrantes equatorianos que dormiam em seus carros, encerrou as negociações.

Euskadi Ta Askatasuna (ETA), que significa Pátria Basca e Liberdade em basco, é um movimento de independência que remonta ao final dos anos 1950. O grupo disse em 2011 que iria desistir de sua luta armada, que causou mais de 800 mortes.

Um porta-voz do prisioneiro do ETA, do grupo de apoio Herrira, disse que Lopez Pena morreu na madrugada de sábado.

Lopez Pena estava no Pitié-Salpêtrière, desde 13 de março, depois de ter sido transferido de outro hospital da prisão de Fleury-Merogis, nos arredores de Paris, segundo a imprensa.

O Ministério do Interior da Espanha não foi encontrado para comentar no sábado. Os ministérios do Interior e o de Relações Exteriores da França não fizeram nenhum comentário imediatamente e o hospital Pitié-Salpêtrière também não estava disponível para comentar.

(Reportagem de Raquel Castillo los Madrid e Patrick Vignal los Paris)

Tudo o que sabemos sobre:
MUNDOGERALETA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.