Suspeito de Ebola recebe alta após exames negativos

O guineano Souleymane Bah, de 47 anos, primeiro paciente internado no Brasil com suspeita de Ebola, recebeu alta na manhã desta quarta-feira, 15. Ele deixou o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), às 7 horas, acompanhado por um representante do Ministério da Saúde. A Fiocruz não informou para onde Souleymane viajou, ou se ele decidiu permanecer no Rio. O destino está sendo mantido em sigilo pelo Ministério da Saúde a pedido do próprio paciente.

RIO, Estadão Conteúdo

15 de outubro de 2014 | 19h44

Na terça-feira, o infectologista José Cerbino, que tratou de Bah, informou que ele temia a volta para Cascavel (PR), onde morava desde que chegou ao Brasil como refugiado, por conta das manifestações racistas e xenófobas publicadas em redes sociais.

Bah estava internado desde sexta-feira, 10, com suspeita de Ebola. Ele ficou em isolamento até a tarde de segunda-feira, quando foi divulgado o resultado do segundo exame de sangue feito pelo guineano também deu negativo.

Ao deixar a unidade, o guineano portava resumo de sua internação com resultados preliminares dos exames realizados após a suspeita de Ebola ter sido descartada. São exames de sangue e uma tomografia computadorizada. A orientação é de que ele siga em acompanhamento médico em unidade de saúde no local de destino. Ele não tinha indicação de permanecer internado.

A Subsecretaria de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde do Rio distribuiu ontem uma nota técnica às unidades de saúde para atualizar o protocolo de atendimento a fim de identificar casos suspeitos da doença. Duzentos coordenadores de unidades de urgência e emergência já foram treinados para que possam orientar suas equipes. Em nota, a secretaria informou que, nas próximas semanas, haverá nova rodada de treinamento com os responsáveis pela Vigilância Sanitária dos 92 municípios do Estado.

Mais conteúdo sobre:
EBOLAALTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.