Suspeitos confessam sequestro de vereador em SP

Os quatro homens presos entre ontem e hoje acusados de participar do sequestro de um vereador, ocorrido no último dia 16 na cidade de Francisco Morato, na Grande São Paulo, confessaram o crime, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP). Três deles foram presos ontem à noite, num ponto de venda de drogas, e o quarto suspeito foi detido na manhã de hoje.

SOLANGE SPIGLIATTI, Agência Estado

30 Junho 2011 | 14h50

Num dos celulares apreendidos com o grupo, há uma foto da vítima no cativeiro, amarrada e encapuzada, com uma arma apontada para sua cabeça. O vereador de Francisco Morato, que conseguiu fugir do cativeiro dois dias depois do sequestro, reconheceu todos os suspeitos.

De acordo com a SSP, os policias chegaram à Avenida Arco Íris, bairro Lago Azul Alto, após investigações. No local, constataram que funcionava um ponto de venda de drogas, com vários rapazes se revezando para atender usuários, a maioria jovens, que ouviam música em alto volume.

A equipe permaneceu de campana por cerca de 50 minutos antes de fazer a abordagem. Além de um adolescente de 17 anos, quatro homens foram detidos dentro da casa. Com eles foram apreendidos a carteira do vereador, dois cartões de memória de computador, três celulares, dois chips de celular, um revólver calibre 32 municiado com cinco cartuchos, um coldre, R$ 519 e 171 invólucros de drogas - 36 de maconha, 72 de cocaína e 63 de crack.

O vereador foi sequestrado quando saía de sua casa, por volta das 7h. Dois homens entraram na garagem e o renderam. Em seguida, o levaram, em seu próprio carro, até o centro da cidade, onde trocaram de veículo e seguiram para o cativeiro, no bairro Recanto Feliz, no mesmo município. A família do vereador registrou o desaparecimento no dia seguinte, quando então a Polícia Civil iniciou as investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.