Suspeitos de acidente em Minas são identificados

A Polícia Civil de Minas Gerais identificou hoje dois suspeitos, um homem e uma mulher, de terem causado ontem o acidente com a rede elétrica que deixou 16 mortos e 56 feridos durante uma festa pré-carnavalesca em Bandeira do Sul. Um inquérito para investigar o caso foi instaurado e o delegado Ademir Luiz Corrêa colheu os depoimentos do motorista e do proprietário do trio elétrico.

MARCELO PORTELA E EDUARDO KATTAH, Agência Estado

28 de fevereiro de 2011 | 19h35

O acidente ocorreu no encerramento do chamado "Carnaband", pré-carnaval iniciado na sexta-feira, 25. A Polícia Militar estima que, no momento em que os cabos da rede elétrica se romperam, cerca de 3 mil participavam da folia na Praça Nossa Senhora Aparecida, a principal da pequena cidade, de 5,3 mil habitantes. A suspeita é de que uma serpentina metálica tenha sido jogada sobre a rede e causado o curto que fez três cabos da rede de média tensão se romperem.

Um dos cabos caiu sobre o veículo e dois no solo, com descarga de 7.967 volts. Segundo a PM, parte das vítimas estava sobre o trio elétrico, mas a maioria dos feridos e mortos estava no chão. Algumas vítimas foram atingidas diretamente pela corrente. De acordo com as testemunhas, porém, outras pessoas receberam a descarga ao tentar socorrer amigos ou parentes.

O delegado vai aguardar o resultado da perícia para verificar a causa do acidente, mas considera como mais provável a hipótese de a serpentina ter provocado o curto e o rompimento dos cabos. Conforme Corrêa, o proprietário da carreta adaptada para trio elétrico, Jean Carlos Vieira, apresentou toda a documentação necessária e "o veículo está totalmente legalizado".

Cemig

Com base em análises preliminares, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) acredita que, "possivelmente", a causa da tragédia tenha sido uma serpentina metálica jogada sobre a rede de média tensão, que teria provocado um curto-circuito, aquecido os condutores e causado o rompimento de três cabos.

Em nota oficial divulgada hoje, a companhia informou que um dos equipamentos de proteção do sistema da empresa foi automaticamente desligado às 18h03 de domingo. No comunicado, porém, a Cemig ressaltou que é necessário aguardar o resultado oficial das perícias realizadas pela Polícia Civil e pelo Corpo de Bombeiros.

Conforme a empresa, a rede elétrica de Bandeira do Sul foi inspecionada no último dia 24 e "não foi identificada nenhuma anormalidade". "Na oportunidade, preventivamente foi providenciada a troca de cruzetas e de transformador e a poda de árvores".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.