Suspensão de venda de 268 planos de saúde entra em vigor

Desde ontem, 268 planos de saúde do País estão temporariamente com a venda suspensa. A decisão, anunciada na terça-feira pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), foi tomada para punir operadoras que não cumpriram prazos mínimos de agendamento de exames, consultas e cirurgias.

O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2012 | 03h02

Entre as operadoras suspensas estão Prevent Senior Private Operadora de Saúde Ltda., Unimed Paulistana, Unimed Brasília, Unimed Maceió e Green Line Sistema de Saúde. A lista completa está disponível no site da agência, ans.gov.br.

Os planos têm até setembro para se adaptar às regras estabelecidas pela ANS. Se novamente descumprirem as exigências, ficam sujeitos a multas que variam de R$ 80 mil a R$ 100 mil.

A ANS esclarece que usuários das operadoras suspensas continuarão sendo atendidos normalmente e não deverão ser prejudicados pela medida.

Segundo a resolução da agência, o cliente deve esperar no máximo sete dias úteis para conseguir o atendimento de consultas básicas. Para outras especialidades, o prazo é de 14 dias e, para procedimentos de alta complexidade, 21 dias.

Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, os planos que tiveram a venda suspensa correspondem a 7% do total de usuários. No País existem 1.016 operadoras, que comercializam cerca de 22 mil planos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.