Tailândia põe tropa de choque em aeroporto sitiado

Dezenas de policiais com cassetetes e escudos se agruparam na sexta-feira diante do aeroporto Suvarnabhumi, em Bangcoc, depois do aparente fracasso nas negociações com os manifestantes que tentam derrubar o governo. Um correspondente da Reuters viu cerca de cem policiais num raio de aproximadamente 300 metros do terminal principal do aeroporto, que está ocupado por manifestantes desde o começo da semana. A polícia já havia alertado que buscaria uma negociação para encerrar a ocupação, mas que iria "tomar outras medidas" caso isso fosse necessário. "Estamos pedindo a eles que permitam a retomada das operações aeroportuárias", disse a jornalistas o general da polícia Suchart Muenkaew, que conduz a negociação. "Vamos continuar conversando, mas se fracassar vamos tomar outras medidas. O último passo será dispersá-los ", acrescentou. A ocupação dos aeroportos Suvarnabhumi (internacional) e Don Muang (doméstico) faz com que milhares de turistas fiquem retidos na capital tailandesa, que está praticamente isolada por via aérea. Os distúrbios devem afetar economicamente o país, já que o turismo é uma das mais importantes fontes de divisas do reino. A Câmara de Comércio da Universidade dos Tailandeses disse que, se a crise política e a interdição dos aeroportos durar mais um mês, o custo para a economia será de 6 bilhões de dólares. Já um porta-voz do governo avaliou que, nessa situação, o prejuízo ao país seria de 2,8 bilhões de dólares, e que a previsão de crescimento do PIB cairia de 4,5 para 4 por cento - já é a mais baixa em sete anos. "Embora ainda seja importante a questão de se essa bagunça pode ser resolvida em um ano, a questão de se a confiança irá voltar, mesmo que isso não seja resolvido dentro de um mês, começa a parecer menos clara", disse o economista Carl Rajoo, da consultoria Forecast, de Cingapura. Despachando em Chiang Mai (700 quilômetros ao norte de Bangcoc), o primeiro-ministro Somchai Wongsawat decretou estado de emergência nos aeroportos e disse que a economia do país, dependente das exportações e do turismo, não vai tolerar novos distúrbios. O governo disse que usará "medidas moderadas" contra os manifestantes que bloqueiam os dois aeroportos, disse o primeiro ministro em um pronunciamento na tevê nesta sexta. "Não se preocupem. Os policiais vão usar medidas moderadas com eles", disse Somchai, que convidou grupos de defesa de direitos humanos e a mídia para observar e filmar no local. (Reportagem adicional de Nopporn Wong-Anan)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.