TAM rebate críticas e afirma atender famílias de vítimas

A TAM rebateu hoje declarações feitas no fim de semana por parentes de vítimas do acidente com o vôo 3054, ocorrido no dia 17 de julho, em São Paulo, deixando 199 mortos. A empresa afirma que está oferecendo atendimento psicológico contínuo aos familiares por meio do Instituto Ipê e do 4 Estações Instituto de Psicologia, especializados em luto e em estresse pós-traumático.Para os casos em que as famílias optaram por receber atendimento de outros profissionais, escolhendo psicólogos já conhecidos ou indicados, a TAM diz que está realizando o reembolso dos honorários diretamente para esses profissionais. "Para o pagamento do reembolso, é necessário apenas que os profissionais enviem a documentação necessária para seu cadastro como prestador de serviços da TAM", afirma a companhia.O presidente da Associação dos Familiares das Vítimas da TAM, Dario Scott, disse ontem que a empresa estaria impondo dificuldades para o reembolso. "Informamos que atrasos registrados na entrega da documentação desses profissionais indicados pelos familiares podem causar eventuais dificuldades no pagamento do reembolso", admitiu hoje a companhia. "Para resolver estes problemas, a TAM tem feito contato com todos os profissionais que ainda não regularizaram seu cadastro."CadastroSegundo a TAM, 72 profissionais autônomos estão cadastrados, atendendo 92 familiares. Além desses, 31 profissionais do Instituto Ipê e do 4 Estações têm atendido 124 familiares. A empresa reiterou que garantirá a assistência médica, psicológica e psiquiátrica aos familiares pelo período de dois anos, conforme Termo de Compromisso firmado em 19 de setembro.A empresa afirmou ainda que a doação do terreno do antigo prédio da TAM Express para a Prefeitura de São Paulo já foi formalizado em Ata de Assembléia Geral Extraordinária registrada na Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp), em 13 de agosto. "O processo está em fase de conclusão", diz a empresa.

AE, Agencia Estado

26 de novembro de 2007 | 19h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.