Tatuador diz que ajudará a identificar ativador do rojão

O tatuador Fábio Raposo Barbosa, de 22 anos, preso na manhã deste domingo, 9, após admitir ter manuseado o rojão que feriu o cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, na última quinta-feira, 6, concordou em colaborar com as investigações para identificar o rapaz a quem ele entregou o explosivo, segundo a polícia.

MARIANA DURÃO, Agência Estado

09 de fevereiro de 2014 | 15h53

"Ele diz que não tem amizade com o rapaz, mas já o viu em outras manifestações e vai tentar nos ajudar a descobrir quem é", afirmou o delegado Maurício Luciano de Almeida e Silva, que investiga o caso. Ele espera que o tatuador consiga orientar a produção de um retrato falado do procurado.

O advogado do tatuador, Jonas Tadeu Nunes, afirmou que vai pedir à Justiça que reconsidere a ordem de prisão temporária, válida por 30 dias, para reduzi-la ao prazo de 5 dias. Esse recurso, porém, só será apresentado na próxima terça-feira, 11, segundo Nunes.

Barbosa deixou a 17ª DP (São Cristóvão) rumo à Cidade da Polícia, complexo que agrupa delegacias especializadas situado no Jacarezinho, na zona norte. Não foi divulgada a razão da condução de Barbosa para lá.

Pouco antes da transferência do tatuador, três líderes de manifestações chegaram à 17ª DP para prestar solidariedade a Barbosa. Uma das pessoas é Elisa Quadros, que chamou Barbosa de "fox" (raposa, em inglês) e disse que conhece o tatuador de outras manifestações, como o "Ocupa Cabral" e o "Ocupa Câmara". Houve discussão entre esse trio e cinegrafistas que registraram a chegada do grupo.

O cinegrafista continua internado em estado grave no Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro do Rio. Ele está em coma induzido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.