Taxa de casamentos tem maior marca desde 1999

Em 2008, chegou a 6,7%; tendência de aumento é contínua desde 2002 e é incentivada pelo Código Civil renovado

, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2010 | 00h00

A taxa de nupcialidade legal no País chegou a 6,7% em 2008, a maior desde 1999. A tendência de aumento é contínua desde 2002, quando atingira 5,6% para a população de 15 anos ou mais, como o IBGE havia mostrado na pesquisa Estatísticas do Registro Civil.

Pesquisadores atribuem o aumento à melhoria no acesso aos serviços de Justiça, à procura de casais por formalizarem uniões consensuais, incentivadas pelo Código Civil (renovado em 2002) e por ofertas de casamentos coletivos.

A maior ocorrência entre mulheres permaneceu no grupo de 20 a 24 anos (29,7%). Entre homens, a taxa mais elevada foi registrada entre os de 25 a 29 anos (28,4%). A partir dos 60 anos, as taxas obtidas pelo homens são mais que o dobro que as das mulheres. A taxa mais alta em 2008 foi registrada no Acre (12%).

A taxa de nupcialidade legal é obtida pela divisão do número de casamentos pelo de habitantes. Esse resultado é então multiplicado por mil.

Ao abrir o capítulo da Síntese de Indicadores Sociais sobre o tema, citando que, no Brasil, o casamento regulamentado pelo Código Civil é "necessariamente monogâmico", o IBGE lembra que a Argentina oficializou em maio sua primeira união civil de um casal homossexual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.