Tecnofobia num boteco do Leblon

- Ô Batista! Batista! Ô Beethoven!

João Ubaldo Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

22 de novembro de 2009 | 00h00

- O primeiro nome do Batista é Beethoven?

- Não, é porque Beethoven era surdo e o Batista é o único garçom do Rio de Janeiro que é surdo como uma porta. Ô Batista! Batiiiiista! Ô flagelo do Ceará! Batiiiiista! Ah, finalmente! Um chope de emergência, me dá prioridade aí, eu posso sucumbir!

- É, está com cara de emergência mesmo, você nem deu bom-dia, quando chegou. Foi você mesmo que fez uma palestra aqui, dizendo que não se deixa de dar bom-dia nem à sogra.

- É verdade, desculpe, tem razão. Eu fui criado no interior, meu pai foi quem me ensinou isso, desculpe, bom dia, bom dia.

- Mas você de fato está com cara de nervoso mesmo. Que foi que houve, a Neneca achou o amor da vida dela outra vez?

- Não, não, graças a Deus, não. Não, é mais genérico, é com minhas neuras. Sabe esse papo de primeiro mundo, vamos entrar para o primeiro mundo, não sei o quê é de primeiro mundo, essa conversa? Eu vou te confessar uma coisa, pra mim esse negócio de primeiro mundo não está com nada, eu não tenho resistência para encarar.

- Que é isso, cara, você mesmo foi quem disse que estava agradecidíssimo ao computador porque o namorado da Neneca emigrou para a internet e nunca mais foi visto.

- É, mas isso foi no momento da euforia, tem que dar o desconto. Obrigado, Batista, viva o glorioso Estado do Ceará. Tem que dar um desconto grande. Eu tenho saudade de um atrasozinho, a verdade é esta. Não é que eu seja saudosista, eu não sou contra o progresso, sou a favor do antibiótico, do stent e do biquíni, mas tinha que ser mais devagar. Todo dia tem uma novidade, cara. Agora mesmo, eu passei por outra assombração, foi por isso que eu cheguei aqui nervoso. Eu já tinha visto antes, mas não me acostumo, não me acostumo mesmo, para mim vai ser sempre uma assombração.

- Mas você nem celular tem.

- Eu sei. Nem terei jamais, eu me sinto de coleira!

- Mas ninguém te obriga a ter.

- É, mas todo mundo tem. Outro dia eu entrei na sala de espera da clínica, cheia de gente e todo mundo, absolutamente todo mundo, falando no celular, parecia uma central da Nasa. Não deu nem para dar esse bom-dia de que nós falamos quando eu cheguei. E até eu entrar ninguém desligou, inclusive um cara que se levantava para discutir com a ex-mulher sobre o filho deles. Até agora não esqueci o nome do menino. Aníbal, apelido Nibinha, deve ser por isso que ele é anormal. Mas é indecente, esse tipo de coisa, para mim é indecente. Só não sei se o Nibinha deu mesmo um chute na canela de d. Dete, avó dele por parte de mãe; entrei antes que o cara acabasse de desmentir.

- É, isso é meio chato. Outro dia eu sentei junto a uma senhora no banco e ela de vez em quando pedia para o cara do outro lado dar um tempinho, afastava o celular, chorava que nem uma bezerra, fungava, passava um lenço de papel nos olhos e voltava para falar com o Jorginho. Esse se chamava Jorginho, que, por sinal, a julgar pelo que ela disse, deve ser um pilantraço, o cara empenhou um colar que a mãe dela deu a ela e foi pego metendo a mãozona por baixo da blusa da irmã dela. E fiquei como você, sem saber do fim da história, mas acho que ela ia perdoar o Jorginho, tinha toda a pinta de mulher que gosta de cafajeste. Acho que, se desse para fazer isso pelo celular, o Jorginho ia dar umas duas bolachadas nela, tipo Nelson Rodrigues, ela era personagem dele.

- Daqui a pouco vai dar, não duvido nada. Vai dar até para transar pelo celular, vão inventar o PhokPhone, não duvido nada, com garantia de GPS para o ponto G e camisinha eletrônica, que também vão inventar. Aquele namorado da Neneca só transa agora lá onde ele mora, lá na internet. Você sabe que eu já tentei ter celular, você sabe disso. Mesmo bem antes de observar vários casos lamentáveis de maridos tipo kennel club, tudo de coleira eletrônica, igualzinho a cachorro americano. Aqui mesmo, neste estabelecimento, você sabe o que eu estou dizendo, mas não vou fazer fofoca, cala-te boca. Mas não foi nem por isso que eu desisti logo, não é para mim de jeito nenhum.

- Eu lembro você dizendo que só não jogava o celular no canal porque não queria ser poluidor ambiental.

- Eu tive um trauma! Fiquei traumatizado, nunca tomei um susto daqueles. Bem verdade que eu fui muito imprudente, não tinha nada que meter aquele treco no bolso. Mas botei no bolso esquerdo da bermuda e ninguém me disse que aquela desgraça vibrava. E estou eu na minha, vindo a caminho daqui, na hora de sempre, quando aquele treco começa a fazer brrrr-brrrr, me atingindo num local muito delicado, tomei um susto pavoroso! Se eu fosse cachorro, estava ferrado, com reflexo condicionado de celular. Era tocar um celular e eu arriar bandeira no primeiro toque, sem perdão. Já não está muito bom, aí mesmo é que a aposentadoria ficaria completa. Mas agora não, agora eu cruzei com um cara falando sozinho e brigando com alguém invisível. Eu sei que é desses celulares com fone de ouvido e microfoninho, mas não é normal, para mim não é normal uma pessoa sair assim pela rua. No meu tempo, só maluco fazia isso e agora quem acha que ficou maluco sou eu, sério mesmo, já estou duvidando de minhas faculdades mentais. Batiiiiista!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.