Tentativa de elevar altura da órbita da ISS falha

A manobra para elevar a altura da órbita da Estação Espacial Internacional (ISS) não foi completada e será necessário repeti-la, informou nesta quinta-feira o Centro de Controle de Vôos Espaciais (CCVE) da Rússia. "Os propulsores da nave Progress M-58 não funcionaram pelo tempo estabelecido e, por isso, a órbita da ISS foi elevada em 1.500 metros, ao invés dos 7.300 metros previstos", disse um porta-voz do CCVE à agência Interfax.O porta-voz explicou ainda que os oito propulsores da ProgressM-58 se desligaram automaticamente 79 segundos após serem ligados,quando foram programados para permanecer funcionando por 1.102segundos. Os propulsores pararam às 2h05, horário de Moscou (21h05de quarta-feira em Brasília).Segundo as investigações preliminares, o impulso produzido pelaProgress M-58 alterou a estabilidade da ISS, o que disparou umsistema de segurança que bloqueou os propulsores, afirmou IgorPanarin, porta-voz da agência espacial russa Roscomos.Panarin acrescentou que, durante a manobra para elevar a alturada órbita, não foi considerada a nova configuração da ISS após amontagem de um sistema de painéis solares com massa total de 17,5toneladas.Esses painéis solares foram instalados em três caminhadasespaciais realizadas por tripulantes da nave americana Atlantis emsetembro e, desde então, a órbita da plataforma não tinha sidoCorrigida.A elevação da órbita da ISS foi feita para facilitar a acoplagemda nave americana Discovery, cujo lançamento está previsto paraquinta-feira da semana que vem. O objetivo inicial era elevar a ISS em 7.300 metros, para situá-la em uma órbita de 355 quilômetros, altura ótima que permitirá ao Discovery gastar menos combustível durante o vôo e as manobras de aproximação e acoplagem.Segundo Panarin, no próximo sábado, os especialistas do CCVEfarão uma nova tentativa para elevar a órbita da ISS, provavelmentede forma escalonada e com ajuda de outro cargueiro, o Progress M-57, que também está engatado na base.A ignição dos propulsores do cargueiro russo foi controlada peloCCVE na cidade de Koroliov, perto de Moscou, e os atuais tripulantes da ISS, o russo Mikhail Tyurin, o americano Michael Lopez-Alegria e o alemão Thomas Reiter, não participaram da operação.Para elevar a órbita da ISS foram utilizados naves americanas eos cargueiros Progress, que também podem modificar a orientação dabase com relação ao sol, sua inclinação em relação ao eixoterrestre, seu período de rotação em torno da Terra e sua velocidade de vôo.Habitualmente, a órbita da ISS oscila entre 320 e 360 quilômetrosde altura e, devido à gravitação terrestre e outros fatores, aplataforma perde entre 100 e 150 metros de altura a cada dia.A órbita da ISS também foi corrigida em várias ocasiões paraevitar possíveis colisões co meteoritos, lixo espacial ousatélites, como ocorreu em 1993, quando a base esteve a ponto de sechocar com o satélite de comunicações italiano MegSat.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.