Tentativa de traficantes de retomar favela deixa 2 mortos

Dois homens morreram hoje na Favela Kelson''''s, zona norte do Rio. A favela foi alvo de uma tentativa de invasão de traficantes que pretendiam retomar pontos-de-venda de drogas, depois que a milícia que os havia expulsado no ano passado foi desarticulada. Um homem morreu numa troca de tiros entre policiais militares e traficantes no início da manhã e o corpo do sargento da PM Paulo Sérgio da Silva foi encontrado no local.Segundo a Polícia Militar, o homem morto no tiroteio era um dos traficantes invasores. Ele chegou a ser levado para o ospital Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiu aos ferimentos. Com ele, foi apreendida uma pistola calibre 380. Já o corpo do sargento foi achado boiando nos fundos da favela, que dá para a Baía da Guanabara. A PM está investigando o que o militar, que era do 1.º Batalhão da PM (Estácio), fazia no localOs traficantes, provavelmente da facção criminosa Comando Vermelho, tentaram invadir a favela num barco de pescador, mas foram surpreendidos por cerca de 30 policiais militares do Batalhão de Olaria (16º BPM) e houve intenso tiroteio.ClandestinoA Kelson''''s foi dominada por um grupo clandestino de policiais militares no início do ano passado, que expulsou os traficantes e passou a cobrar taxas da população pela segurança.Denúncias de coação e até de assassinatos foram feitas por um ex-líder comunitário que se desentendeu com os milicianos e foi expulso. Na quinta-feira, quatro policiais militares reconhecidos como os chefes do grupo paramilitar foram presos.A favela é tida como estratégica para o Comando Vermelho porque o acesso à Baía de Guanabara funciona como rota de distribuição de drogas. Traficantes ligados à facção criminosa escondidos em Nova Iguaçu já haviam tentado retomar a favela outras vezes, sem sucesso. Hoje, rechaçados pelos policiais, eles fugiram em direção ao Mercado São Sebastião, vizinho à comunidade. A PM promete permanecer ocupando a favela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.