Teorias do Saul sobre harmonização

Os pratos e os vinhos nasceram uns para os outros, mas nem sempre se dão bem. Certos ingredientes manifestam claramente suas preferências: valorizam alguns vinhos, suportam outros e não se dão com os demais.Veja também:Bons vinhos até o fimA. P. Quartim de Moraes: 'Afiado e generoso'A mesa da família em JaúDias Lopes ‘Porco bom é o caipira, criado com lavagem’O negócio é passar bemSaulzice típica: vinho branco com bacalhau Fotos de Saul Galvão  Tudo é relativo. Uma boa combinação pode melhorar um jantar, mas não devemos levar isso a sério demais, deixar que as preocupações na hora da escolha dos vinhos e dos pratos acabem ofuscando o jantar. A ideia básica sempre é ter prazer e não preocupações. Alguns enochatos vão me censurar, mas acho que quase sempre pode-se tirar algum prazer, mesmo quando a combinação não é a ideal.Aproveite o jantar, seja qual for a escolha do vinho. Se ela não tiver sido a mais adequada, aceite o fato, aprenda e não fique chateado. Todos, até os mais conhecidos especialistas se enganam.Vinhos e pratos da mesma região, da mesma cultura costumam combinar bem: imagine começar um jantar com um champanhe Krug Clos du Mesnil ao aperitivo, comer um pernil d’agneau pré-salé de Pauillac assado acompanhado por um Château Latour de 1961, também de Pauillac, e terminar com uma pera au Sauternes com um Château d’ Yquem 1934. Seria a glória. Eu já provei esses vinhos, mas não nessa ordem e nem em tais companhias. E posso assegurar que voltaria a prová-los com o mesmo entusiasmo e prazer, independentemente do que eles estiverem acompanhando. Os vinhos compensariam tudo. Parafraseando a atriz e grande frasista (muitas vezes quase filósofa) Mae West: sexo com amor é o ideal, uma maravilha (vinho ótimo e combinação adequada); mas sexo sem tanto amor (vinho ótimo e combinação não muito correta) também tem o seu valor. É quase uma covardia provar vinhos italianos fora do contexto de uma refeição. Impressiona ver como eles crescem na companhia da comida."É difícil imaginar combinações mais adequadas que as de tintos de classe, potentes e tânicos, com as melhores carnes de boi assadas na brasa." O queijo camembert se dá muito bem com o champanhe e outros espumantes. 

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.