Terreiro à Niemeyer

O escritório holandês UNStudio expõe espaço de convivência na 29ª Bienal de São Paulo

Julia Contier, O Estadão do S. Paulo

30 de setembro de 2010 | 11h00

Um dos seis terreiros da Bienal o "Eu sou da rua", do escritório holandês UNStudio, funciona como um ponto de encontro.

 

Uma semana antes da abertura oficial da 29ª Bienal de São Paulo, o holandês Ben van Berkel esteve no Brasil para conferir de perto a finalização do espaço "Eu sou a rua" (Youturn), projetado e executado por seu escritório de arquitetura, o UNStudio, com sede em Amsterdã. "O pavilhão se coloca entre a arte, a instalação e a arquitetura e funciona tanto como forma ou como ativador de eventos", explica Berkel. A seguir, a entrevista que ele concedeu ao Casa.

 

Como surgiu a proposta de trabalhar na Bienal?

Nosso trabalho tem muito a ver com a mostra: é muito voltado para a construção de espaços públicos, misturando arte, arquitetura e design.

 

Como é lidar com a opinião da população quando se projeta espaços públicos?

As pessoas sempre querem saber por que aquela obra será construída e que cara vai ter. Esse comportamento é comum e muito saudável. É por isso que eu acredito que a arquitetura contribui para a discussão do espaço público.

 

Já houve algum impasse com a sociedade?

Sim. As pessoas questionam a cor ou a dimensão da obra. Projetamos a Erasmus Bridge, ponte estaiada de Roterdã, inaugurada em 1996, que gerou uma boa discussão. As pessoas diziam que ela era muito alta e eu defendia que tinha de ser alta mesmo. Foi bastante dramático, mas todos se acostumaram. Hoje é um dos símbolos da cidade.

 

Em relação ao projeto exposto na Bienal, existe uma referência a Oscar Niemeyer?

Sim, mas não é literal. Em minhas obras, gosto de fazer referências a muitas coisas: à moda, ao design, à arte e a mais de um arquiteto. Neste caso, Oscar Niemeyer é um deles.

 

Como você acompanhou a execução do espaço?

Virtualmente. Oito pessoas estão trabalhando aqui há quatro semanas, sendo duas do meu escritório e algumas outras da Alemanha, além da mão de obra local.

 

É um costume do UNStudio trabalhar com pessoas de outros países?

Para o UNStudio é uma coisa muito natural. Acreditamos que trabalhar com diferentes países e com diferentes especialistas agrega valores. Não estamos mais interessados na maneira tradicional de se trabalhar.

 

O escritório está interessado em fazer outros projetos no Brasil?

Eu acho a arquitetura e o design brasileiros muito interessantes e gostaria de fazer algo mais por aqui, mas isso precisa vir acompanhado de oportunidades. Quem sabe com as Olimpíadas no Rio? Seria interessante.

 

29ª BIENAL DE SÃO PAULO: ATÉ 12/12. DE SEG.A QUA., DAS 9H ÀS 19H, DE QUI. E SEX., DAS 9H ÀS 22H E SÁB. E DOM., DAS 9 ÀS 19H. PARQUE DO IBIRAPUERA, PORTÃO 3. TEL.: (11) 5576- 7600. SITE: WWW.29BIENAL.ORG.BR, ENTRADA GRATUITA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.