Teste para fusão nuclear liquefaz diamante

A máquina Z, criada pelo laboratório Sandia, mantido pelo governo dos Estados Unidos, transformou um diamante numa poça líquida. A máquina gera pressões de mais de 10 milhões de vezes a da atmosfera terrestre ao nível do mar. O objetivo do experimento era entender as características do diamante, material que poderá ser usado na criação de cápsulas para reatores de fusão nuclear.A fusão é o processo no qual átomos de elementos leves são esmagados de encontro uns aos outros, produzindo elementos mais pesados e gerando enormes quantidades de energia. Fusão é a fonte de energia do Sol e das bombas de hidrogênio. O controle do processo - de forma que a energia seja liberada de modo gradual, sem uma enorme explosão - é uma meta tecnológica perseguida há 50 anos. O uso de cápsulas de combustível é um dos métodos estudados. O problema desse método é que camada externa da cápsula precisa transmitir pressão de forma uniforme ao seu interior. Diamante sólido funciona assim, e diamante líquido funciona assim, mas um diamante que misture os dois estados, não. O teste foi realizado numa tentativa de determinar meios de evitar essa zona mista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.