EFE
EFE

Tetraplégico australiano ganha direito de morrer

Christian Rossiter, de 49 anos, ganhou na Justiça direito de recusar tratamento que o mantém vivo

BBC Brasil, BBC

14 Agosto 2009 | 06h06

Um australiano que ficou tetraplégico depois de ser atropelado por um carro ganhou, nesta sexta-feira, o direito de recusar tratamento e morrer em Perth, na Austrália.  

 

 

linkMulher que busca suicídio obtém vitória no Reino Unido

linkMenina britânica que ganhou direito de morrer é operada

linkPai relata em livro luta pela morte da italiana Eluana

A Suprema Corte do Oeste da Austrália decidiu a favor de Christian Rossiter, de 49 anos, que pediu que fosse retirado o tubo que o alimenta, hidrata e o mantém vivo na Casa de Saúde Brightwater.

Em uma declaração lida na corte por sua advogada, Rossiter disse: "Não consigo realizar nenhuma função básica. Não consigo assoar meu nariz. Não consigo secar as lágrimas dos meus olhos".

Ele teria descrito sua situação como um "inferno em vida".

A casa de saúde consultou a Justiça sobre as consequências de suspender o tratamento, depois do pedido de Rossiter, que mantém suas faculdades mentais.

A advogada do paciente argumentou que não há qualquer lei, ou precedente, que permita à casa de saúde ignorar o pedido de Rossiter.

A decisão do juiz Wayne Martin, de que o paciente tem direito a recusar tratamento médico, isenta a casa de saúde de qualquer responsabilidade.

Na Austrália, ajudar alguém a morrer é crime e pode ser punido com prisão perpétua.

Tratamento

A expectativa é de que Rossiter morra dentro de uma ou duas semanas depois de retirado o tubo. Ele poderá decidir recusar o tratamento quando quiser e também poderá mudar de ideia a qualquer momento.

Segundo a mídia local, Scott Blackwell - presidente de uma ONG sobre tratamentos paliativos no fim da vida na região, (Palliative Care WA) - disse que a decisão foi "sã e razoável".

Segundo Blackwell teria dito à imprensa, "este tipo de morte não envolve muita dor ou estresse, e o paciente morre lentamente, depois de entrar em coma".

"As pessoas acham que é uma péssima maneira de morrer, mas ela não envolve muito sofrimento, desde que as medidas paliativas apropriadas estejam em vigor para mantê-lo confortável", disse Blackwell.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.