'The Economist' vê corrida armamentista na América Latina

Artigo publicado na revista britânica questiona iniciativa da Unasul e a procura por armas na região

Da BBC Brasil,

29 de maio de 2008 | 17h10

A revista britânica The Economist questiona em um artigo na sua mais recente edição a possibilidade de que a América do Sul esteja sendo palco de uma corrida armamentista - apesar de os países da região estarem negociando uma maior integração. O artigo, intitulado Speak fraternally but carry a stick (Fale fraternalmente, mas carregue um pedaço de pau, em tradução livre), trata da reunião realizada no dia 23 de maio em Brasília em que foi formalmente criada a Unasul (União de Nações Sul-Americanas), mas diz que a iniciativa está distante da realidade. "O novo grupo vai ter uma aparência de propósito, incluindo uma secretaria-geral no Equador e um Parlamento na Bolívia, mas não muito mais do que isso", diz o texto. A The Economist salienta que, mesmo enquanto os líderes conversam, alguns países da América do Sul estão investindo mais em armamentos, motivados principalmente por duas razões: a falta de investimentos nesse setor por muito tempo - o que faz com que as armas que têm já estejam velhas e obsoletas - e a existência de mais verbas disponíveis para tal gasto. "O aumento de armas do Brasil, que inclui planos para um submarino nuclear e novos caças, não alarmou muito seus vizinhos. Estabilidade econômica e crescimento, e uma democracia cada vez mais sólida, tornaram recentemente os governos brasileiros mais confiantes para agir como superpotência regional - mas por meio da diplomacia", analisa a The Economist. A revista acredita que o principal empecilho ao Brasil se tornar a superpotência regional é a Venezuela, cujas aquisições de armas "alarmam seus vizinhos". O artigo conclui lembrando que os gastos da América Latina com armamentos ainda são pequenos. Apesar disso, afirma o texto da revista, "algumas das compras recentes são causa para preocupação - especialmente se for levado em conta que boa parte das conversas sobre união sul-americana são só isso (conversa)".     BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
América do SulThe Economist

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.