Tia de Isabella aponta a juiz episódios de negligência da mãe

Cristiane Nardoni contradisse Anna Jatobá, que dizia que ela havia dormido no apartamento do casal 4 vezes

Carolina Freitas, Agência Estado

03 Julho 2008 | 20h34

Cristiane Nardoni, tia de Isabella e irmã de Alexandre - apontado como um dos responsáveis pelo assassinato da menina -, relatou nesta quinta-feira, 3, episódios de negligência da mãe da garota, Ana Carolina Oliveira, à Justiça. Por ser parente de um dos réus, Cristiane foi dispensada pelo juiz Maurício Fossen de jurar que diria apenas a verdade, como fizeram as demais testemunhas.   Veja também: PMs dizem que viram sangue no apartamento de Nardoni Avô de Isabella faz dossiê sobre supostas falhas na investigação Família de amigos depõe a favor do casal Nardoni em São Paulo   Cristiane, que também é madrinha de Isabella, disse que tinha um relacionamento muito estreito com a garota - a levava ao colégio e a deixava na casa da mãe depois das visitas a Alexandre. Disse que uma vez Isabella chorou e se escondeu atrás dela quando chegou à casa de Ana, que teria dito: "Pára com isso, filha, parece que você está vendo um monstro". A tia relatou ainda que "várias vezes" recebeu ligações de Isabella dizendo que estava sozinha e ficou preocupada. Ela teria comentado sobre essa preocupação com Alexandre.   Cristiane contradisse o depoimento de Anna Carolina Jatobá, madrasta de Isabella e acusada pelo crime, à Justiça. A madrasta havia dito que Cristiane dormira três ou quatro vezes em sua casa, para ajudá-la a cuidar das crianças. Cristiane, no entanto, afirmou convicta que dormiu apenas uma vez no apartamento de Anna e Alexandre. As testemunhas de acusação haviam sugerido que a tia dormia lá por recomendação da avó paterna, Aparecida, por temor de deixar Isabella a sós com Anna.   Como a maioria das testemunhas de defesa, Cristiane argumentou que a relação entre Alexandre e Anna Carolina era "normal, sem brigas" e que Anna tratava Isabella como uma filha. Disse ainda que Alexandre foi à festa de aniversário de 5 anos da menina, na casa de Ana Oliveira. Anna Jatobá não teria sentido ciúmes, apenas ficara chateada por não poder ir ao evento, já que seu filho mais novo acabara de nascer.   Crime   Cristiane contou que recebeu uma ligação de seu pai na noite da morte de Isabella, mas não pode ouvir o que ele dizia, pois estava em um bar barulhento. Em seguida ligou para Anna Jatobá e só entendeu que algo acontecera com Isabella. Assim, seguiu para a casa do irmão.   O namorado de Cristiane, Lúcio Flávio de Souza, também depôs nessa tarde. Relatou que saiu às pressas do bar com Cristiane depois do telefonema. Mais tarde, ele acompanhou Alexandre e Antônio até a delegacia. Disse que, nos dois anos durante os quais convive com os Nardoni, nunca presenciou brigas entre Alexandre e Anna ou deles com os filhos. O pai de Alexandre e Cristiane, Antonio Nardoni, será o último a depor pela defesa. Ele fala ao juiz Maurício Fossen desde às 18h35.

Mais conteúdo sobre:
caso Isabella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.