Tirar sacolas foi 'erro absurdo', diz executivo do GPA

O vice-presidente de Relações Corporativas do Pão de Açúcar, Hugo Bethlem, classificou como "um erro absurdo" a decisão dos supermercados paulistas de parar de fornecer sacolas plásticas nos caixas. Na avaliação do executivo, a ideia de chamar a atenção do consumidor para o descarte adequado das sacolinhas é importante, entretanto, deveria ter sido melhor estruturada para promover uma mudança de hábito da população. "Quando você quer mudar hábitos de consumo todos os agentes da sociedade precisam sentar e discutir metas de longo prazo", disse nesta terça-feira, durante o Encontro de Sustentabilidade promovido pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), em São Paulo.

VANESSA STECANELLA, Agência Estado

21 de agosto de 2012 | 11h45

Hugo Bethlem acredita que a forma como a Associação Paulista de Supermercados (Apas) conduziu o tema foi errada, pois acabou gerando uma agenda negativa para o setor. "Queremos sair dessa agenda negativa, colocando o consumidor a favor do meio ambiente", afirmou.

No mesmo sentido, o presidente do Lide, o empresário João Dória Jr, lamentou a execução da proposta do fim das sacolas plásticas. "Às vezes uma boa intenção que não é completa representa um passo atrás", avaliou.

A distribuição de sacolas plásticas gratuitamente voltou a ocorrer no Estado de São Paulo no fim de junho, quando a juíza Cynthia Torres Cristófaro, da 1ª Vara Central da capital paulista, determinou a medida, válida a partir do dia 28 de junho e em vigor desde então.

Segundo o executivo do Pão de Açúcar, o grupo está fazendo sacolas sem o nome das redes de supermercados e com mensagens de conscientização do consumo, chamando atenção para o descarte adequado. "As pessoas precisam entender a importância do fim da sacolinha. Vamos oferecer alternativas para isso."

Mais conteúdo sobre:
meio ambientesacolas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.