Tiros em escola devem ficar sem explicação

A polícia deve encerrar as investigações sobre a tragédia ocorrida do dia 22 na Escola Alcina Dantas Feijão, em São Caetano do Sul, sem apontar culpados ou conseguir explicar o que levou o aluno D., de 10 anos, a atirar na professora Rosileide Queirós, de 38, e depois se matar. O inquérito deve ser mandado na próxima semana ao Ministério Público.

WILLIAM CARDOSO, Agência Estado

05 de outubro de 2011 | 10h47

Segundo a delegada Lucy Mastellini Fernandes, foi feito tudo o que era possível para tentar descobrir as causas da tragédia. "A única pessoa que poderia dar 100% de certeza sobre as motivações era ele. A resposta para isso tudo estava na cabecinha dele." O pai de D., dono do revólver calibre 38, não será indiciado porque, segundo a delegada, não foi negligente nos cuidados com a arma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.