Tiroteio deixa ambulante morto e estudante ferido em SP

Uma briga que teria sido causada por um carrinho de batatas fritas terminou com o ambulante Jarbas Cavalcante Souza, de 44 anos, morto a tiros e o estudante Ebert Eiji Kashaihara, de 19 anos, ferido no braço direito. O crime ocorreu próximo à universidade Uninove, na Avenida Adolpho Pinto, Barra Funda, zona oeste de São Paulo. Era noite de quarta-feira, 14, hora do intervalo entre as aulas da universidade, razão pela qual vários estudantes estavam na rua no momento do assassinato. O filho do vendedor assistiu aos disparos e à morte do pai.

PEDRO DA ROCHA, Agência Estado

15 Março 2012 | 06h51

O irmão de Jarbas, Pedro Arthur Cavalcante Souza, de 45 anos, contou que, na manhã do assassinato, o ambulante - que trabalhava durante o dia vendendo cachorro-quente em frente ao Fórum Trabalhista da Barra Funda e à noite perto da universidade - deixou um carrinho usado na venda de batatas fritas, que havia comprado, na casa utilizada como depósito de alimentos no número 82 da rua do crime. O suspeito de efetuar os disparos, que também trabalhava como ambulante e vendia batatas, descobriu a intenção por parte de Jarbas de comercializar o produto e foi tirar satisfação. Não queria um novo concorrente.

Os vendedores discutiram e iniciaram luta corporal. "Meu irmão era nervoso, eu dizia para não entrar em confusão. Ele deu uns tapas no outro e a briga foi parar na porta da universidade, quando os seguranças separaram os dois", contou Pedro. O suspeito jurou vingança e foi embora.

Por volta das 21h, o assassino encontrou Jarbas saindo do depósito, sacou a arma e disparou. Ao todo, quatro tiros acertaram o ambulante: na cabeça, no braço, tórax e região do baço. Socorrido ao Hospital Barra Funda, acabou morrendo. O estudante baleado no braço foi levado à Santa Casa. De acordo com o irmão da vítima, o atirador fugiu em uma Ford Ranger. O caso foi registrado no 7º Distrito Policial (DP), da Lapa.

Mais conteúdo sobre:
assassinatoambulanteSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.