Odd Andersen/Afp
Odd Andersen/Afp

Tomate possui 31 mil genes, 7 mil a mais que os seres humanos

Sequenciamento ajudará a desenvolver variedades mais lucrativas e a entender outras espécies, como pimenta e batata

Nova York,

31 Maio 2012 | 03h12

O tomate, cujo genoma acabou de ser sequenciado, revelou-se um legume bem dotado com seus 31.760 genes. Esse rico material tem cerca de 7 mil genes a mais que o genoma do homem e representa um complexo quebra-cabeça para cientistas que desejam revelar seus segredos.

Um consórcio de geneticistas de 14 países gastou nove anos decodificando o genoma do tomate na esperança de contribuir para o melhoramento genético da espécie em características como cor e corpulência.

Os cientistas sequenciaram os genomas de duas variedades: a Heinz 1706, usada para a produção de ketchup, e seu parente selvagem mais próximo, o Solanum pimpinellifolium, que habita os Andes peruanos, onde surgiram os ancestrais do tomate. As duas espécies diferem em apenas 0,6% dos genes. A pesquisa foi publicada na revista Nature.

O tomate, para os botânicos, é um fruto, mas para a população em geral é um legume. Nesse caso, o senso comum não está tão longe da verdade, visto que um parente próximo do tomate é um legume: a batata.

Os genomas das duas espécies possuem um grau de semelhança de 92%. A principal diferença é que o tomate possui um conjunto de genes que orientam o fluxo de energia para a produção de frutos, no lugar de tubérculos, como acontece na batata.

Mas quais são esses genes, mesmo com ambos os genomas decifrados, ninguém sabe, aponta o geneticista Daniel Zamir, da Universidade Hebraica de Jerusalém e um dos líderes da pesquisa.

Os cientistas apontam que o sequenciamento dessas duas plantas da família das solanáceas ajudará a entender as demais, que incluem o tabaco e a pimenta. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.