Tombini diz que medida deixa Brasil mais seguro

As medidas anunciadas nesta quarta-feira para conter a valorização cambial tornam o Brasil mais seguro para receber investimentos estrangeiros produtivos, ao mesmo tempo que reduzem o potencial de alavancagem contra o dólar, afirmou nesta quarta-feira o presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini.

REUTERS

27 de julho de 2011 | 13h03

"A medida vem no sentido de reduzir alavancagem contra o dólar a favor do real. O BC tem agido no sentido de conter os possíveis desdobramentos e riscos que uma entrada de fluxo pode representar, tem agido no sentido de conter esses fluxos... em cima das posições vendidas", afirmou Tombini após participar de evento no Rio de Janeiro.

Para o presidente do BC, a medida de agora faz parte de um escopo que torna o país mais seguro para continuar atraindo investimentos estrangeiros, inclusive produtivos, considerados de melhor qualidade porque tendem a permanecer no país.

"As medidas tornam o Brasil mais seguro, ao longo do tempo, para investimentos produtivos", afirmou ele.

O Brasil vem registrando fortes entradas de investimentos estrangeiros diretos, aqueles voltados à produção. No primeiro semestre deste ano, por exemplo, foram 32,477 bilhões de dólares, cifra recorde.

O dólar subia cerca de 2 por cento nesta quarta-feira após o governo impor uma taxação de 1 por cento sobre as operações de derivativos cambiais feitas por investidores no país, a fim de estancar as sucessivas quedas na cotação da moeda norte-americana.

Tombini acrescentou ainda que, mesmo com a nova medida tomada nesta quarta-feira, o BC manterá sua política de intervenção no mercado cambial. E que o governo também continuará atuando para proteger o Brasil dos riscos do cenário internacional.

"A atuação do BC continua. Não há modificação sobre isso", afirmou ele.

Tombini falou ainda que espera a resolução dos problemas da dívida dos Estados Unidos.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROTOMBINIMEDIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.