Tombini minimiza fraqueza do real e impacto da Argentina, diz FT

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, vê poucos motivos para preocupação na recente desvalorização do real e no rápido enfraquecimento do peso argentino, de acordo com o jornal Financial Times.

Reuters

28 de janeiro de 2014 | 10h00

"Ajustes relativos de preços não devem ser confundidos com fragilidade", disse Tombini segundo o jornal, referindo-se à desvalorização de 13 por cento do real no ano passado.

Para Tombini, o ajuste é parte da normalização das taxas de juros globais, o que reflete uma recuperação do crescimento econômico global e é positivo no longo prazo para os mercados emergentes, de acordo com a matéria.

Por enquanto, entretanto, elevar as taxas de juros em mercados desenvolvidos seria como um "aspirador de pó" sugando o dinheiro dos mercados emergentes e exigindo taxas de juros domésticas mais altas, disse Tombini ao jornal.

"A resposta brasileira tem sido bastante clássica --aperto da política, uso de reservas internacionais como proteção", disse Tombini, acrescentando que não enfrenta pressão política para evitar elevação dos juros. "Nós certamente ajustaremos a política de novo se necessário."

Tombini também não demonstrou preocupação com o impacto no Brasil da rápida desvalorização do peso argentino nos últimos dias, citando a presença relativamente baixa do país vizinho nos mercados financeiros.

"Se isso deixa a Argentina mais confortável com seu nível cambial mais competitivo, também deve estar menos pronta para usar barreiras não-tarifárias", completou.

(Por Asher Levine)

Mais conteúdo sobre:
MACROTOMBINIFT*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.