Trabalho de presos é suspenso após morte em Iperó-SP

A Secretaria da Administração Penitenciária suspendeu o acordo firmado com a prefeitura de Iperó (SP) para usar o trabalho dos presos da penitenciária local em obras e serviços do município. A medida foi tomada após a suspeita de participação de um detento no assassinato da cabeleireira Cosma Vieira de Queiroz, de 36 anos. A mulher foi encontrada morta por estrangulamento em casa na noite do último dia 17.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

23 Abril 2012 | 21h05

O corpo estava sob a cama no quarto da vítima. Testemunhas disseram à Polícia Civil terem visto, na frente da casa da vítima, um dos reeducandos que faziam serviços na cidade. Naquela noite, durante a volta para a penitenciária, um dos presos tentou fugir.

A Secretaria informou não haver indício de participação do detento no crime. A cela e os pertences do suspeito foram revistados, sem que nada fosse encontrado. No entanto, como a população relacionou a morte da mulher com a atividade dos reeducandos, o trabalho fora do presídio foi suspenso.

A decisão foi comunicada nesta segunda-feira à prefeitura e não há data para que o convênio seja retomado. A Polícia Civil informou que as investigações prosseguem. O laudo sobre a morte da cabeleireira deve ficar pronto em vinte dias. A prefeitura informou que utiliza a mão de obra dos detentos desde 2010 e nunca foi registrado qualquer tipo de incidente.

Mais conteúdo sobre:
trabalhodetentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.