Traficantes da Rocinha fazem blitz em estrada no Rio

Segundo relatos, a estrada da Gávea está sendo vigiada dia e noite para evitar invasão dos rivais da comunidade; criminosos revistam veículos que passam pelo local

Pedro Dantas, RIO DE JANEIRO,

27 Outubro 2011 | 19h23

A presidente da Associação de Moradores e Amigos do Leblon, Evelyn Rosenzweig, afirma que traficantes da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, tomaram o controle do trecho da Estrada da Gávea que corta a favela e realizam blitz nos veículos durante o dia e à noite. O objetivo dos criminosos seria evitar uma invasão de traficantes rivais e a entrada de policiais na comunidade.

Os motoristas são orientados a trafegar em baixa velocidade, com farol baixo, a luz interna acesa e o vidro da janela do motorista aberto. A ousadia dos traficantes surpreendeu os motoristas. Um major da Polícia Militar (PM) à paisana chegou a ser parado pelos criminosos, não foi reconhecido e apenas obrigado a abrir o vidro da janela do carro. Motociclistas são orientados a trafegar sem o capacete para facilitar a identificação.

"Foram vários relatos nesta última semana. Minha obrigação como líder comunitária é avisar aos moradores e alertar à polícia. Coloquei minha vida em risco, mas agora todo mundo sabe o que acontece. Não é só porque aqui é zona sul. Isto é inadmissível em qualquer lugar do Rio", disse Evelyn. Após a denúncia ela foi chamada pelo comandante da PM, coronel Erir Ribeiro Costa Filho, para uma reunião.

Com 3,2 km de extensão, a Estrada da Gávea liga São Conrado ao bairro da Gávea e ainda é usada por alguns motoristas para evitar o trânsito na auto estrada Lagoa-Barra, que liga a Barra à zona sul carioca. Principal ponto de venda de drogas da zona sul carioca, a Rocinha, dominada pela facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA), se tornou o abrigo para os chefes do tráfico de entorpecentes dos morros da Mineira, São Carlos e dos Macacos, que foram ocupados pela Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Por falta de efetivo, a Rocinha deve receber uma UPP apenas em 2012.

Complexo do Alemão

Defensores públicos do Estado do Rio estiveram hoje no complexo do Alemão para ouvir moradores sobre supostos excessos cometidos pelo Exército, que ocupa a área. Os militares obtiveram três mandados judiciais de busca e apreensão genéricos, que autorizam a entrada em qualquer casa de três determinadas regiões do complexo em busca de armas e drogas até domingo. Hoje, a pedido da Defensoria, a Justiça cassou um dos mandados.

Mais conteúdo sobre:
Rocinha blitz traficantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.