Transportadores já traçam rotas alternativas para SP

Transportadores de cargas do interior já traçam rotas alternativas para entrar na cidade de São Paulo driblando a restrição do tráfego de caminhões na Marginal do Tietê adotada pela Prefeitura. O custo do transporte, no entanto, aumenta até 10%.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

06 Março 2012 | 18h46

O operador Josias Alves, da Central de Fretes Valdecir, de Sorocaba, usou a internet, mais as informações dos próprios motoristas, para estabelecer um caminho alternativo até o Parque Novo Mundo, na zona norte da capital. A entrega, de peças para caminhões, tinha de ser feita até as 17 horas de hoje. "Achei um caminho usando o Rodoanel até o final e seguindo pelos bairros até o início da Dutra, mas a carreta vai rodar quase 60 quilômetros a mais entre ida e volta", disse.

Ele prevê que a restrição na Marginal vai sobrecarregar o Rodoanel. "Vai piorar um trânsito que já está complicado". Alves pesquisou rotas fora dos bloqueios também para outros bairros da capital, usando a Rodovia Raposo Tavares até o bairro Butantã. De qualquer forma, segundo ele, o custo aumenta. "O trajeto inclui ruas que não são próprias para o tráfego de caminhões", disse.

O gerente comercial da MB Transportes, João Jacob, conta que duas carretas com combustível que seguiriam para São Paulo ficaram retidas hoje. A empresa atua no interior e na capital. "Conseguimos carregar, mas a carga não pôde seguir, pois havia risco", disse. Segundo ele, os operadores de logística da empresa também já detectaram rotas paralelas para driblar a restrição da Prefeitura e possíveis bloqueios. "Dá para chegar, mas o custo do frete vai subir de 5% a 10%", alertou.

Mais conteúdo sobre:
caminhões protestos rota alternativa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.