Transporte coletivo adere à greve geral na região de Sorocaba

Empresas de vans que levam passageiros para indústrias da região também podem suspender o serviço por medo de represálias

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

26 Abril 2017 | 18h01

SOROCABA – A greve geral convocada pelas centrais sindicais contra as reformas trabalhista e previdenciária do governo Temer deve deixar as principais cidades da região de Sorocaba, interior de São Paulo, sem transporte coletivo nesta sexta-feira (28). O Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região informou que os trabalhadores do transporte urbano, intermunicipal, rodoviário e de fretamento de cargas aderiram à paralisação, que deve afetar 42 municípios.

As empresas de vans que levam passageiros para indústrias da região também podem suspender o serviço por medo de represálias – haverá piquetes nos acessos e houve ameaças de depredação pelas redes sociais. Em Sorocaba, estão previstas marchas de estudantes a partir da zona norte, em direção ao centro. Além das escolas públicas, pela primeira vez escolas do ensino privado também podem aderir à greve, segundo o Sindicato dos Professores de Sorocaba e Região.

Agências bancárias também não devem abrir. Parte do comércio na região central, onde estão previstas manifestações e estudantes e trabalhadores, vai fechar as portas. O Conselho de Segurança Comunitária (Conseg) pediu apoio à Polícia Militar e à Guarda Municipal para garantir o direito dos comerciantes que desejarem trabalhar.

Alerta. A Polícia Militar foi colocada em alerta para prevenir possíveis distúrbios e excessos durante as manifestações. De acordo com o tenente Vilmar Maciel, relações públicas do 7o Batalhão de Policiamento do Interior, as folgas foram suspensas e o pessoal administrativo reforçará o policiamento nas ruas. Segundo ele, a polícia tem orientação para garantir o direito de quem pretende trabalhar e evitar obstrução de vias públicas. O policiamento rodoviário também foi posto de prontidão para atuar em caso de trancamento de rodovias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.