Transporte público deve ser prioridade em SP, diz Grajew

Os paulistanos querem que o transporte público tenha prioridade na concepção das políticas públicas para São Paulo, de acordo com o coordenador do Movimento Nossa São Paulo e presidente do Instituto Ethos, Oded Grajew. Ele fez a avaliação hoje durante a apresentação da quarta pesquisa de percepção sobre mobilidade na capital paulista. "O que nós precisamos fazer é sensibilizar as autoridades para que façam políticas públicas de acordo com a demanda da maioria da população", afirmou.

RENAN CARREIRA, Agência Estado

16 de setembro de 2010 | 16h43

De acordo com o levantamento, realizado pelo Ibope com 805 paulistanos entre os dias 25 e 30 de agosto, 67% dos entrevistados disseram que o transporte público deveria receber mais atenção dos governos. A divulgação da pesquisa faz parte da programação da Semana da Mobilidade, que vai de 16 a 22 de setembro, este o Dia Mundial Sem Carro. A margem de erro da pesquisa é de três pontos porcentuais para mais ou para menos.

Grajew lembrou que, se houvesse um transporte público de qualidade, com ônibus e metrô que chegassem a todos os pontos da cidade, muitas pessoas deixariam o automóvel em casa, contribuiriam para melhorar a mobilidade em São Paulo e ajudariam a diminuir a poluição do ar. Na pesquisa, 96% dos paulistanos afirmaram que veem a poluição do ar como um problema grave ou muito grave.

Para o coordenador do Movimento, falta investimento público e também falta prioridade nas questões corretas. "O político minimamente sensível e com inteligência política, principalmente em época de eleição, deveria ficar atento aos dados da pesquisa e atender a população. Quem fizer isso, vai sair ganhando", afirmou.

Questionado sobre a expectativa desta pesquisa sensibilizar as autoridades, tendo em vista que as demandas continuam altas e praticamente as mesmas dos três levantamentos anteriores, Grajew respondeu com um ditado: "Água mole em pedra dura... (tanto bate até que fura)". "Mas isso (políticas públicas em questões corretas) pode se acelerar com a aproximação do fim do mandato."

O presidente da Comissão de Trânsito e Transporte da Câmara Municipal de São Paulo, vereador Juscelino Gadelha (PSDB), afirmou que vai levar a pesquisa para a comissão e tentar buscar um entendimento com o Poder Executivo, a fim de chegar a uma solução para atender as demandas dos paulistanos.

"Vamos tentar trazer o Estado para a discussão, porque para muitas das situações apresentadas na pesquisa é o Estado que tem a obrigação de fazer", disse. "Melhorou a convergência entre a Prefeitura e o Estado, mas ainda não no ponto que a gente gostaria."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.