Tratado de Lisboa sinaliza nova era no bloco, diz União Europeia

A União Europeia (UE) saudou o início de uma nova era nesta terça-feira com a entrada em vigor do tratado de Lisboa, que traz consigo a esperança do bloco se tornar uma força mais poderosa no palco mundial.

TIMOTHY HERITAGE, REUTERS

01 de dezembro de 2009 | 14h22

O tratado -- que tem como objetivo facilitar a tomada de decisões da UE, confere um mandato ao presidente e aumenta os poderes do chefe da política externa -- visa dar ao bloco de 27 países um poder político que corresponda ao seu peso econômico.

"Uma nova era de cooperação europeia começa hoje", disse em comunicado o primeiro-ministro sueco, Fredrik Reinfeldt, cujo país mantém a presidência rotativa da UE até o final do ano. "Hoje a UE é uma força que inspira respeito - economica e politicamente".

A britânica Catherine Ashton começou a trabalhar como chefe de assuntos externos do bloco. O primeiro-ministro belga, Herman Van Rompuy, assume como presidente do Conselho dos líderes da UE em 1o de janeiro.

Mas o impacto das mudanças sob o tratado não será sentido da noite para o dia e a UE tem se esforçado para se impor globalmente enquanto potências emergentes, como a China, tornam-se mais influentes depois da crise econômica global.

Embora a UE seja um bloco comercial e político importante, representando quase 500 milhões de pessoas, nos últimos oito anos seus líderes com frequência mostravam-se divididos.

Eles chegaram a um acordo sobre a indicação de Ashton e de Van Rompuy apenas no mês passado, na última hora, e os críticos afirmam que a escolha dos dois líderes, pouco conhecidos mesmo dentro do bloco, suscita questões sobre como a UE reforçará sua imagem no mundo.

"Acho que é bom que o restante do mundo nos lembre que receberão bem pessoas com ideias e alguma iniciativa. Infelizmente, este não é um ponto de vista generalizado na UE", afirmou Daniel Gros, do Centro para Estudos Políticos Europeus.

O tratado de Lisboa modifica as regras sobre as decisões tomadas pela UE. A tomada de decisões tornou-se difícil desde a adesão de 10 países, em sua maior parte da Europa do Leste e Central, em 2004, e de outros dois em 2007.

O documento também confere mais poder ao Parlamento Europeu, que compartilha algumas responsabilidades legislativas com a Comissão Europeia, braço executivo da UE e um poderoso organismo regulador. Os líderes dos Estados-membros retêm bastante poder.

Tudo o que sabemos sobre:
EUROPATRATADODELISBOA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.