Travessia perigosa poderá ter piso colorido em SP

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estuda adotar pisos coloridos em pontos perigosos de travessia de pedestres, para reduzir a velocidade dos carros e chamar a atenção dos motoristas. Essa é uma das ideias para reduzir o número de mortes de pedestres e motoqueiros no trânsito de São Paulo. A cada dez mortos em acidentes na capital, em 2009, cinco estavam a pé e três em motos. Na pauta da CET há ainda a criação de um centro de educação para motociclistas, com previsão de inauguração para setembro.

AE, Agência Estado

18 de fevereiro de 2011 | 10h39

Chamada de "caixa de segurança", a alternativa para a passagem de pedestres prevê que os motoristas trafeguem a 30 km/h em uma área de até 80 metros de uma via. Isso criaria um espaço de tempo suficiente nesse trecho para quem deseja alcançar a outra calçada, segundo o autor do projeto, o engenheiro José Tadeu Braz. O plano também prevê que os pontos sejam pintados em amarelo, vermelho e verde para sinalizar que a área é de pedestres. O assunto é discutido pelos técnicos e não há prazo para a implementação.

Para garantir o cumprimento da regra, o projeto prevê a instalação de lombadas eletrônicas. A pista é estreitada para evitar ultrapassagens e permitir a construção de um canteiro central onde o pedestre possa parar, caso não consiga atravessar de uma vez. As pessoas aguardam a brecha para passar em uma área pintada de vermelho na calçada. Ao notarem que podem andar, pisam na parte verde do asfalto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.